Porque quem mais amamos, nos decepcionam?

 

Texto na integra de: Wilson Roberto Pereira Ribeiro

Uma amiguinha muito querida escreveu essa pergunta no
blog dela. Talvez a gente tambem pergunte isso as vezes.
Então vou aproveitar esse espaço pra dizer alguma coisa
que eu considere útil - rsrsrs.

"Por que será que as pessoas a quem mais amamos são as
que mais nos decepcionam? "

Nem sempre é assim que acontece.
Mas muitas vezes nos fazemos essa pergunta, não é?
A resposta é simples. Elas são as que mais nos decepcionam
pois são as que estão mais perto de nós.
Ou porque é delas que esperamos mais.
Quanto mais esperamos de pessoas, mais nos decepcionamos,
pois assim como nós, elas também são falhas, falíveis, imperfeitas.
Aliás, ninguém é perfeito, não é mesmo?
O único que existiu nós o penduramos numa cruz.
Mas até isso era necessário e plano de Deus pras nossas vidas
e de toda a humanidade.
Mas voltando às pessoas que amamos, elas são mesmo tão
imperfeitas quanto nós, mesmo que nos amem muito e que
sejam muito amadas por nós.
Por isso é que esse sentimento é tão nobre, tão lindo, tão puro,
tão impagável e, acreditem, tão simples.
Porque ele vence todas essas barreiras dos nossos defeitos e erros.
Não amamos pelo que fazem ou deixam de fazer.
Amamos pelo que são, porque são, porque estão aqui ou não,
porque existem. Amamos porque fazem ou fizeram parte de algo.
Alguém sabe explicar porque Deus nos ama tanto?
Fazemos tanta coisa errada. Magoamos pessoas, machucamos
quem nos ama e só nos faz bem (olha a pergunta aí de novo) e ainda
assim Ele não desiste de nós. Sempre insiste em amar, amar, amar, amar....
Será que Deus é burro?
Talvez um tonto, ou um grande trouxa, é isso?
Alguém se atreve a concordar?
Claro que não. Ele ama porque ama. Só isso.
É a Sua essência (é assim que se escreve? rs).
Por isso que a gente ama. Infelizmente nossa essência não é o amor,
pois também nos magoamos, e até odiamos, e chegamos a
fazer essa pergunta:
Por que será que as pessoas a quem mais amamos são as que
mais nos decepcionam?
Porque nós, simplesmente ainda não entendemos a diferença entre amar,
gostar ou estar apaixonado, ou mesmo algum sentimento bom que exista
na perspectiva humana.
Quando amamos, simplesmente amamos e pronto.
Não é necessário mais nada pra que continuemos amando.
Sugiro um exercício:
Ao invés de descobrir, buscar saber quem nos ama de verdade,
que tal descobrir quem "nós" amamos de verdade, ou simplesmente
gostamos, sentimos simpatia, ou nos apaixonamos, atraímos e etc.?
Que tal descobrir se nós mesmos não decepcionamos tanto a quem nos ama?
"... a felicidade é um sentimento simples. Tão simples que pode passar pela
nossa vida e ir embora dela sem que a gente se dê conta..."
Parar de esperar dos outros e começar a fazer a nossa parte e amaaaaaar....
amaaaaaarrrr, amar muuuuuuuuuuuuuuuuuuito, inclusive quem nos faz ou
fez tanto mal.
"...o meu mandamento é este:
Que voz ameis uns aos outros, assim como eu vos amei!"
(quem disse isso? Dá pra discutir com esse cara aí? Quem se habilita?)

Guardemos isso. É uma verdade pra mim, que se eu conseguir carregá-la
e praticá-la por toda a vida, sei que serei melhor.
E serei lembrado como alguém que marcou positivamente as vidas de
quem pela minha vida passou.

Importante é não confundir duas frases como essas:

1- Viver cada dia como se fosse o último.
2- Viver cada dia como se Cristo voltasse hoje.

Qual a diferença?

A diferença é que se Cristo voltasse hoje, não seria o ultimo,
e sim o principio, o recomeço de uma nova fase,
uma nova era na nossa história. Essa agora, eterna e imutável,
onde vamos perder o direito simples da escolha.
Acredite, não existe o último dia, só o acesso à eternidade.

Não viva como se fosse o último.
Viva como se Cristo voltasse hoje.
Assim você vai plantar frutos bons.
E vai tratar a todos com amor, pois Ele mesmo disse:
Como pode amar a Deus a quem não vê,
se não ama o teu próximo, a quem você vê?

Amemos e não esperemos nada em troca,
pois se esperarmos, não amamos de verdade.

Com amor,

Wilson Roberto

Beijos de quem erra mas ama muitão.

 

11/10/2005.